1046 Visitas |  Like

Retrospectiva do ícone David Bowie chega ao Brasil

Compartilhar Share on FacebookTweet about this on TwitterPin on PinterestShare on Google+Share on TumblrShare on LinkedIn
Twiggy posa ao lado de David Bowie para a capa de seu disco Pin Ups (1973)

Twiggy posa ao lado de David Bowie para a capa de seu disco Pin Ups (1973)

Era 1972. Num conjunto supercolorido e com o make carregado, realçando os traços femininos, ele subiu ao palco do Top of The Pops (o mais importante programa musical da BBC) e intrigou os espectadores com a aparência andrógina. David Bowie tinha então 25 anos e, em sua performance de Starman, um dos singles do álbum The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars, já deixava escapar os ares de ícone da cultura pop. O figurino, o lendário vídeo e o manuscrito da letra de Starman chegam, no próximo dia 31, ao Museu da Imagem e do Som, em São Paulo.

em-exposicao-realizada-no-museu-victoria--albert-em-londres-manequim-exibe-a-roupa-que-kansai-yamamoto-desenhou-para-david-bowie-em-1973

Exposição David Bowie

expo-david-bowie-gorete-colaco-post-21

Exposição David Bowie

A mostra David Bowie – a versão brasileira da inédita retrospectiva David Bowie Is, foi organizada pelo londrino Victoria & Albert Musem. O Brasil é o terceiro país a receber a exposição – que, depois de atrair 300 mil visitantes na Inglaterra, passou pelo Canadá -, conta com mais de 300 itens do camaleão do rock, entre figurinos icônicos, como o terno azul-claro do clipe “Life on Mars”, objetos, rascunhos e material audiovisual, que recontam os 50 anos de carreira do cantor.

Figurino de Kansai Yamamoto para a turnê Aladdin Sane (1973), entre eles o Tokyo Pop Vinyl Body Suit

Figurino de Kansai Yamamoto para a turnê Aladdin Sane (1973), entre eles o Tokyo Pop Vinyl Body Suit

Capa de Diamond Dogs, do cantor David Bowie, tirada em 1974

Capa de Diamond Dogs, do cantor David Bowie, tirada em 1974

Completando 67 anos, David Bowie ainda é referência na música, na moda, nos hábitos – vide o recorrente retorno do glam às passarelas, sua participação na campanha da Louis Vuitton e o sucesso de seu último disco, The Next Day, lançado em 2013 depois de um hiato de dez anos. “Bowie não é um velhinho que foi bacana décadas atrás. É um artista eterno, vivo”, finaliza André Sturm – Diretor do MIS.

Partitura de Liza Jane, primeiro single de David Bowie com a banda King Bees (1964)

Partitura de Liza Jane, primeiro single de David Bowie com a banda King Bees (1964)

Bowie na época da banda Kon-rads (1963)

Bowie na época da banda Kon-rads (1963)

Exposição David Bowie
MIS – Museu da Imagem e do Som (av. Europa, 158, São Paulo)
De 31/1 a 20/4 (terça à sexta das 12h às 21h; sábados das 10h às 21h; domingos e feriados das 11h às 20h)
Ingressos: R$ 25 (antecipado). A partir de 31/1, na recepção do MIS, por R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Gratuito às terças-feiras.

Dangerous Glitter

Dangerous Glitter – Como David Bowie, Lou Reed e Iggy Pop foram ao inferno e salvaram o rock´n´roll.

Dangerous Glitter – Como David Bowie, Lou Reed e Iggy Pop foram ao inferno e salvaram o rock´n´roll

Embriagado pela atmosfera do glam rock, encontra-se nas livrarias o lançamento Dangerous Glitter – A História de Como David Bowie, Lou Reed e Iggy Pop Foram ao Inferno e Salvaram o Rock n’Roll (Veneta, 400 págs., R$80). O livro, do jornalista especializado em cultura pop Dave Thompson, conta as histórias entrelaçadas dos três cantores, que, nos anos 1970, reinventaram a música, subverteram os conceitos de gênero, abriram as portas para o punk e o grunge e se tornaram estrelas.

Devore página a página na companhia de uma boa trilha sonora!